quinta-feira, 30 de setembro de 2010

O Silêncio e As palavras

É interessante como o silêncio entre duas pessoas, especialmente entre duas pessoas que são um casal, quase sempre denota algo ruim. O silêncio entre namorados, entre marido e mulher, é quase sempre ruim, quase sempre significa algo mais: uma situação a ser resolvida, uma dor no coração, um receio.

Eu sou do tipo racional e tenho uma dificuldade extrema com os silêncios. Talvez por crescer numa casa cheia de gente (4 irmãos) onde todos se falavam o tempo todo, gritavam, brigavam... aprendi o valor das palavras para inclusive manter o emocional em ordem.

Buscar o silêncio pode ser uma dávida, uma bênção, um santo remédio; talvez por isso mesmo seja uma desgraça quando as pessoas transformam o silêncio numa arma. Ou então, quando se recorrem ao silêncio para evitar o confronto.

Eu sou daquele que prefere a pior das palavras ao vazio do silêncio. Prefiro ouvir o que não quero, o que não me agrada, prefiro as palavras arranhando minha sensibilidade do que o silêncio me sufocando como se eu estivesse numa estufa.

Talvez não ajude, mas estou convicto que as palavras são remédio melhor, muito melhor que o silêncio. Palavras ditas e ouvidas acabam por exigir de nós maturidade, nos obrigam a crescer, a confrontar-nos com o que não gostamos ou não queremos, a perceber o outro com uma clareza tamanha que talvez preferíamos não ver.

Por mais que o silêncio possa ser remédio para aliviar a dor, as palavras são mais eficazes. Quando falamos não liberamos apenas palavras, liberamos sensações, sentimentos, vontades, o próprio ato de falar é terapêutico. Quantas vezes pessoas as mais diversas já experimentaram sentir um imenso alívio apenas por falarem, por verbalizarem?

Estudo de caso - 1: "A esposa reclama que o marido disse algo que a ofendeu". Qual é a reclamação dela? O fato dele ter pensado ou sentido aquilo ou apenas o fato dele ter falado? Não seria por isso que muitos maridos acabam se fechando para suas esposas, namorados para as suas namoradas, e saem à procura de outras pessoas que possam ouví-los sem reclamações. Não seria o caso de valorizarmos ao extremo o que os outros nos falam, mesmo que não gostamos do que eles nos falam? Interessante é notar também que nem sempre o que falamos significa o que as palavras literalmente significam: quantas vezes falamos alguma coisa fazendo de conta, de bobeira? Tudo bem que a sensibilidade da pessoa que ouve precisa ser considerada, nem sempre é fácil apenas ignorar ou dizer um "não gostei" para o que se ouviu.

Estudo de caso - 2: "O marido fala de uma fantasia que deixa a esposa horrorizada". Quantos maridos/ namorados têm desejos e fantasias sexuais que simplesmente não têm coragem de falar para suas amadas. E não apenas eles, sei de uma esposa que confessou ter por inúmeras vezes sonhado com ela e o marido fazendo sexo junto com outro casal. Mas ela nunca falou desses sonhos para o marido. Será por quê? Será que os casais não ganhariam muito com o simples fato de falarem abertamente sobre suas vontades, fantasias, sonhos?

Tenho aprendido que sentimentos são apenas sentimentos, nada mais que isso. A Bíblia já nos ensina que sonhos são sonhos, nada mais que isso (Jr 23.28). Fantasias também não são nada mais que fantasias - todos sabem que há uma enorme diferença entre desejar algo e realizar essa mesma coisa. Da mesma forma que a raiva é apenas um sentimento (num acesso de raiva podemos gritar que odiamos a pessoa que mais amamos, temos vontade de esganar a mesma pessoa pela qual teríamos todo o cuidado do mundo se sofresse o menor dos arranhões). Se é assim, porque não falar, expressar, deixar que os sentimentos, vontades e fantasias fluam livremente deixando nossos relacionamentos mais sólidos?

2 comentários:

Vanessa Lima disse...

Concordo cm vc, e sou 1.000.00 vezes um dialogo do q ficar em silencio...

Adorei seu blog, bjos e um bom fim d semana!!!

Vanessa Lima disse...

Hj dando uma passada rapida pelo meu blog, resolvi ler esse seu "escrito" novamente...

É como se eu me identificasse com suas palavras, pq sinto, em alguns casos, o qto o silêncio me faz mal, o qto mtas das vezes procuramos alguém para nos escutar, apenas escutar e não encontramos... Dificil t alguém disposto a isso, tb me espelho nesse detalhe.

Algumas pessoas buscam um blogger p desabafar com um (a) companheiro (a) do lado, é tão facil cortar o silêncio e desabafar cm alguém q possa enxugar suas lagrimas, cm alguém q te conhece...

Vc sta d parabéns... sempre!